Adoçantes

Antigamente, ser diabético significava uma vida com refeições sem o mais agradável aspecto para o paladar: doçura. Hoje, regras para se evitar o açúcar foram relaxadas. Novos adoçantes de baixas calorias, tão saborosos quanto o açúcar podem fornecer doçura sem calorias extras. Como resultado, pessoas com diabetes podem comer alimentos tão bons em sabor, quanto em nutrição.

Vida Doce

O açúcar de mesa (sacarose), era considerado prejudicial à saúde de pessoas com diabetes. Médicos e nutricionistas assumiram que o açúcar de mesa era digerido dreamyday e absorvido com mais rapidez do que amidos, como batatas e pães. Eles pensavam que o açúcar de mesa poderia causar uma enorme subida da glicose no sangue. Eles estavam errados.

Mais de uma dúzia de estudos comprovaram que os açúcares nas comidas não elevam a glicose no sangue mais do que amidos. A American Diabetes Association (ADA) mudou suas recomendações nutricionais para dizer, “evidências científicas demonstraram que o uso de sacarose dreamyday dresses como parte do plano alimentar não prejudica o controle da glicose no sangue de indivíduos com diabetes tipo 1 ou tipo 2.”

Todavia, uma regra importante permanece: você precisa acertar com seu médico endocrinologista e/ou nutricionista como lidar com o açúcar no seu planejamento alimentar. O açúcar não é um “alimento livre”. Se conta como carboidrato. Quando você escolhe comer alimentos que contém açúcar, você precisa substituí-los em seu planejamento alimentar pelos alimentos com carboidratos, isto é, deixa de comer esses últimos.

O que é um alimento doce?

Os rótulos com as Informações Nutricionais nos pacotes dos alimentos o informará quantos gramas de açúcar tem por porção deste alimento, como também quantos gramas do total de carboidratos. O nutricionista pode ajudá-lo a ler o rótulo do novo alimento. Ele também fará um cálculo nutricional para que você saiba quanto carboidrato você pode consumir em cada refeição.

As más notícias

As novas recomendações são ótimas, mas há ainda razões para limitar a quantidade de açúcar que você deve consumir. Alimentos doces são na maioria das vezes sem muita nutrição. Eles possuem calorias, mas poucas vitaminas, minerais, e fibras que são importantes para a saúde.

Alimentos feitos com muito açúcar “possuem” na maioria das vezes altos índices de gordura.

Veja os valores “comparados” (trocados) de alimentos como sorvete, bolo, e chocolate. Metade de uma xícara de sorvete equivale um (1) amido e duas (2) trocas de gordura. Comer alimentos com altos valores de gordura pode colocá-lo em risco de doenças do coração e dos vasos sangüíneos.

Lembre-se que cada pessoa reage de formas diferentes a um alimento. Uma boa idéia é checar a glicose do sangue após consumir um alimento com açúcar. Você pode ser capaz de comer uma porção de alimento com açúcar sem muitas alterações nos níveis de glicose no sangue. Ou você pode descobrir que os níveis de glicose no sangue sobem bastante e você precisa tomar cuidado quando comer alimentos açucarados. Se você toma insulina, seu nutricionista pode orientá-lo como aumentar a dose da mesma, caso você planeje comer algum alimento com açúcar ou com carboidrato a mais.

Diferenciando os “açúcares”

Há diversos tipos de “açúcares”. Você deve ficar atento, pois os rótulos das Informações Nutricionais agrupam todos os tipos de açúcar em uma só categoria: “açúcares”. O açúcar de mesa é chamado de sacarose. Você pode reconhecer outros açúcares nos rótulos porque seus nomes químicos também terminam em “-ose”. Estes são: glicose (também chamado dextrose), frutose (também chamado levulose), lactose, e maltose.  Outros tipos de carboidratos são os açúcares do álcool: sorbitol, xylitol, e manitol.

A frutose e os açúcares do álcool podem ter um efeito menor nos níveis da glicose no sangue do que a sacarose ou outros carboidratos. Estes adoçantes podem ser usados em quantidade moderada, mas não há razão para o uso de grandes quantidades de frutose ou açúcares do álcool no lugar da sacarose. Grandes quantidades de frutose podem aumentar os níveis de gordura no sangue.

A sacarose é conhecida por diversos nomes, dependendo de seu aspecto e da maneira que foi processada. Melados, açúcar de beterraba, açúcar mascavo, açúcar de cana, açúcar de confeiteiro, açúcar refinado, etc…, são todos basicamente açúcares de mesa e têm efeitos similares nos níveis de glicose no sangue.

Conheca Viva Zero

Outros alimentos naturais e processados possuem muito açúcar. Estes alimentos são: xarope de milho, xarope de cana de açúcar, mel, leite condensado, e chocolate.

Adoçantes com Baixas Calorias

 Adoçantes com baixas calorias são “alimentos livres”. Adoçam os alimentos, e não têm calorias e não elevam os níveis de glicose no sangue. Não são contados como carboidratos, como gorduras, ou outros. Podem ser adicionados às suas refeições ao invés de substituídos.

O FDA – Food & Drug Administration – (órgão americano responsável pela aprovação de alimentos e remédios) – aprovou o uso dos adoçantes de baixas calorias. A ADA – American Diabetes Association – (Associação Americana de Diabetes) aceitou a conclusão do FDA, isto é, que esses adoçantes são seguros.

 

  • Adoçantes artificiais ou sintéticos: sacarina, aspartame, ciclamato, acessulfame-K e sucralose.

Sacarina – A sacarina serve para adoçar tanto os alimentos quentes como frios. Devido à sua estabilidade, a sacarina pode ser usada em vários alimentos, na indústria de cosméticos e de medicamentos. Estudos feitos em humanos sugerem que a sacarina não causa câncer.

Aspartame – Seu valor calórico é de 4 Kcal/g. Graças ao seu alto poder adoçante, usa-se pequenas quantidades para se chegar à doçura desejada. Não é estável em altas temperaturas. Gestantes e lactentes podem fazer uso do aspartame. Devido o aspartame conter produtos com fenilalanina, pessoas com a doença fenilcetonuria não devem comer nem beber produtos com fenilalanina.

Ciclamato – Entre suas características estão a presença residual e a sua estabilidade em altas temperaturas. Não apresenta calorias.

Acessulfame-K – Esse adoçante é utilizado nas indústrias de panificação, confeitos, bebidas e produtos lácteos. Não apresenta calorias.

Sucralose – É altamente estável em temperaturas elevadas, e ainda pode ser usado em qualquer produto onde é usado o açúcar, como bebidas, assados, alimentos pasteurizados, esterilizados, etc…Além disso, pode ser utilizada em gelatinas e pudim em pó, sucos, compotas de frutas e adoçantes de mesa. Não apresenta calorias.

Todos esses adoçantes de baixas calorias podem ajudar tanto os diabéticos como pessoas que estão acima do peso e desejam perder algumas calorias e ter um planejamento alimentar saudável. E ainda, esses adoçantes são recomendáveis também por reduzirem as calorias e carboidratos quando usados no lugar do açúcar, como no café, chá, cereal e fruta.

Adoçantes naturais: frutose, sorbitol, manitol e esteovídeo.

 Frutose: Extraída das frutas e do mel. É mais doce que a sacarose (açúcar refinado) 173 vezes. Apresenta 4 Kcal/g e provoca cáries. Diabéticos devem utilizá-la com orientação do médico ou nutricionista.

Sorbitol: Encontrado na nas frutas e algas marinhas. Possui 4 Kcal/g , e as pessoas com diabetes só devem utilizá-lo com orientação médica ou nutricionista. É estável no calor. Em combinação com outros adoçantes (sorbitol, acessulfame-K, aspartame, ciclamato, sacarina ou esteovídeo) é empregado na fabricação de biscoitos, chocolates, goma de mascar e refrigerantes.

Manitol: Encontrado em vegetais e algas marinhas. É bastante estável às altas temperaturas. É utilizado em combinação com o sorbitol na indústria alimentícia.

Esteovídeo: Possui o poder adoçante 300 vezes superior à sacarose. Extraído da planta Stevia Rebaudiana. É associado ao adoçante sacarose, frutose, glucose, lactose, maltose, sorbitol, manitol, aspartame, ciclamato, sacarina ou xylitol para melhorar o seu sabor residual. Apresenta estabilidade em altas temperaturas. Não contém calorias.

Para Sobremesa

Se você escolher para comer alimentos com açúcar, adoçantes com baixas calorias, ambos, ou nenhum, há quatro sugestões para uma vida com diabetes mais doce:

1- Consulte somente nutricionista formada(o) para desenvolver um plano alimentar personalizado. Uma boa avaliação nutricional o ajudará a aprender quanto carboidrato é necessário para manter os níveis de glicose no sangue no nível certo durante as refeições e lanches.

2- Limite gorduras saturadas, as quais andam muitas vezes de mãos dadas com o açúcar em alguns alimentos doces.

3- Aprenda a ler a “Informação Nutricional” nos rótulos dos alimentos para saber quanto o mesmo tem de gordura, proteína, e carboidrato.

4- Coma frutas variadas, legumes, produtos lácteos de baixas calorias e alimentos com grãos diariamente.

Fontes: American Diabetes Association (ADA);

Cyber Diet – Nutricionista: Roberta Stella