Breve histórico da doença celíaca

Fonte: Associação dos Celíacos ( ACELBRA)

Há milhares de anos, os povos verificaram que era possível semear a terra e obter colheitas de

Breve histórico da doença celíacacereais diversos, entre eles o trigo, conhecido na fabricação de um dos mais antigos dos alimentos, o pão. A partir daí, o seu rendimento era tal, que lhes permitiu viverem no mesmo local sem a necessidade de andarem constantemente à procura de alimentos.

Uma conseqüência desta descoberta foi a civilização, e outra foi o risco de se ter a Doença Celíaca. No século II, um grego, Aretaeus da Capadócia descreveu doentes com um determinado tipo de diarreia, usando a palavra “Koiliakos” ( aqueles que sofrem do intestino ).

Tudo leva a crer que já naquela época ele se referia àquela doença que em 1888, Samuel Gee, um médico pesquisador inglês descreveu em detalhes, achando que as farinhas poderiam ser as causadoras da moléstia. Gee designou-a por “afecção celíaca”, aproveitando o termo grego, e, em seus escritos previa com grande intuição que “… controlar a alimentação é parte principal do tratamento … a ingestão de farináceos deve ser reduzida … e se o doente pode ser curado, há de sê-lo através da dieta …”.

Conheca Viva Zero

A Guerra ajudou na descoberta

Durante a 2ª guerra mundial, o racionamento de alimentos imposto pela ocupação alemã, reduziu drasticamente o fornecimento de pão à população holandesa. Em 1950, o Prof. Dicke, pediatra holandês de Utrech, verificou que as crianças com “afecção celíaca” melhoraram da sua doença apesar da grave carência de alimentos. Associou então este fato, com o baixo consumo da dieta em cereais.

A Engenharia oficial e a ousadia

Charlotte Anderson, de Birmingham, demonstrou finalmente mais tarde por trabalhos de laboratório, que o trigo e o centeio continham a substância que provoca a doença: o Glúten. J.W.Paulley, médico inglês, observara entretanto num “celíaco operado”, que a sua mucosa intestinal não tinha o aspecto habitual, e este fato extremamente importante e confirmado por outros pesquisadores, passaram a permitir um diagnóstico com bases mais seguras.

A importância desta descoberta aumentou, quando um oficial americano, Crosby, e um engenheiro, Kugler, desenvolveram um pequeno aparelho com o qual de podiam efetuar biopsias do intestino sem necessidade de operar o doente. Este aparelho, hoje com pequenas modificações, ainda é usado para se fazer o Diagnóstico da Afecção Celíaca, da Celiaquía, da Enteropatia sensível ao do sprue celíaco, sprue não tropical, entre outros nomes que recebeu, enquanto pesquisadores se convenciam de que se tratava da mesma doença.

Associação dos Celíacos do Brasil – ACELBRA – Abrindo o caminho para os celíaco