Conheça as diferenças entre sensibilidade ao glúten, alergia ao trigo e doença celíaca

Um dos alimentos mais antigos da nossa alimentação é o glúten.

Fonte: Accu-Chek Brasil
Uma produção do portal: Vivendo De Bem Com a Vida

Esse ingrediente é a proteína estrutural dos grãos de trigo, cevada e centeio, que foi introduzido Conheça as diferenças entre sensibilidade ao glúten, alergia ao trigo e doença celíacanas nossas refeições, possivelmente, há 10 mil anos, com o advento da agricultura. A fração proteína do glúten solúvel em etanol, denominada de prolamina, é tóxica, sendo diferente em cada tipo de cereal: gliadina no trigo, secalina no centeio, hordeína na cevada e avenina na aveia. Essas frações são tóxicas ao intestino devido às grandes quantidades de glutamina e prolina presentes nesses cereais.

O glúten está presente nos produtos como, farinhas e derivados de cereais como: trigo centeio, cevada (malte) e aveia. Devido às frações tóxicas do glúten relatadas acima, muitas pessoas desenvolveram problemas principalmente no intestino ao digeri-las. Para saber mais sobre isso, a nutricionista Tarcila Ferraz de Campos conta a diferença entre doença celíaca, alergia ao trigo e sensibilidade ao glúten não celíaca:

A doença celíaca é auto-insone desencadeada pela ingestão de glúten. O diagnóstico precoce é fundamental para que os sintomas desapareçam. O indivíduo com essa doença tem inflamação na mucosa intestinal, com manifestação de dor abdominal recorrente, náuseas, vômitos, empachamento do estômago e diarréia ou constipação e com isso diminuição na absorção de nutrientes.

A sensibilidade ao glúten pode ser definida pela presença de alterações morfológicas, funcionais e imunológicas, que respondem com a exclusão do glúten e que não apresenta as características patológicas e laboratoriais que definem a doença celíaca.

Conheca Viva Zero

Já a alergia ao trigo é definida como uma reação imunológica adversa às proteínas do trigo mediada por IgE – pode apresentar-se com sintomas respiratórios (“asma do padeiro” ou rinite, mais comum em adultos), alergia alimentar (sintomas gastrintestinais, urticária, angioedema ou dermatite atópica; principalmente em crianças) e urticária de contato. Os testes para alergia ao trigo incluem dosagem sérica de IgE ou testes cutâneos para o trigo. A sensibilidade ao glúten não celíaca é uma forma de intolerância ao glúten quando a doença celíaca e a alergia ao trigo forem excluídas.

Para diagnosticar os três casos, os exames laboratoriais, como anticorpos antigliadina, antiendomísio e anti-transglutaminase positivos sugerem doença celíaca, embora altamente precisos e confiáveis, são insuficientes para um diagnóstico. A confirmação do resultado só ocorrerá por biópsia do intestino delgado com no mínimo a coleta de três fragmentos.

Os sintomas tardios da sensibilidade ao glúten podem ser extra intestinais, como o aumento da chance de inflamações sistêmicas, doenças auto-imunes (tireoidite de hashimoto, diabetes tipo I, hepatite auto-imune), e alterações neurológicas como alterações do humor, agressividade, perda da memória, redução da capacidade intelectual e da disposição física e enxaqueca. É válido também comentar que de acordo com a Associação Americana de Diabetes, a cada 20 indivíduos com diabetes tipo 1, um deles é celíaco. Esta ligação acontece, pois ambas as doenças compartilham fatores de risco genéticos.

Se a pessoa tiver diagnóstico de doença celíaca, a retirada total do glúten é a conduta mais indicada. Tal retirada garante melhora do sistema imunológico e cessa quadros clínicos como coceira, diarréia, anemia e distensão abdominal, além de outros sinais que possam ser apresentados pelo paciente. A retirada parcial, indicada para quem apresenta certo grau de intolerância, pode trazer minimização de distensão abdominal, gases e quadros como urticária de contato.

Outra dica importante é que o glúten pode ser substituído pelas farinhas dos seguintes alimentos: milho (farinha de milho, amido de milho, fubá), arroz (farinha de arroz), batata (fécula de batata), mandioca (farinha de mandioca, polvilho doce, polvilho azedo, tapioca). Quinua e amaranto também são permitidos. Com respeito aos produtos industrializados, os pacientes com doença celíaca devem sempre ler os rótulos para certificarem-se de que o produto não contém glúten. Assim, a pessoa não terá perda nutricional e a alimentação poderá ser balanceada e saudável.

O site Diabete.Com.Br avisa : As informações contidas neste site não se destinam ou implica a ser um substituto para aconselhamento médico profissional, diagnóstico ou tratamento. Todo o conteúdo, incluindo texto, gráficos, imagens e informações, contidos ou disponíveis através deste site são apenas para fins informativos gerais. As opiniões expressas aqui são as opiniões de escritores, colaboradores e comentaristas, e não são necessariamente aqueles de Diabete. Com.Br. Nunca desconsidere o conselho médico profissional ou demorem a procurar tratamento médico por causa de algo que tenha lido ou acessado através deste site.