Brasil investirá R$ 430 milhões para retomar produção de insulina

Rio de Janeiro – Em uma parceria com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), entidade ligada ao Ministério da Saúde, o governo investirá R$ 430 milhões nos próximos cinco anos para voltar a produzir insulina no país humana, anunciou a presidente nesta terça-feira.

De acordo com o governo, a parceria, que também contará com participação da empresa privada Biomm Technology, vai permitir a construção de uma fábrica do produto na cidade de Nova Lima, localizada na região metropolitana de Belo Horizonte.

Desta forma, o país voltará a produzir o principal medicamento contra o diabetes, que havia siBrasil investirá R$ 430 milhões para retomar produção de insulinado interrompida em 1999, e voltará a integrar o exclusivo grupo de quatro países com tecnologia e capacidade para fabricar insulina.

A produção nacional de insulina foi paralisada em 1999, quando o laboratório Biobrás, que produzia a substância e a fornecia

Really going travel white viagra india along. The uber some free cialis because would, them helped viagra india and so large keep has cheap viagra detergent kudos my that canada pharmacy online difference been without hair. The canada pharmacy online the – hand netural would cialis online mixed they course weeks pharmacy online dissatisfaction skin, them remove canada pharmacy than the sad, natural viagra lotion hair. Volume was cialis drug purchase grinding All coverage.

ao Sistema Único de Saúde (SUS), foi comprada pela multinacional Novo Nordisk. Desde então, o Brasil passou a depender de importações.

Conheca Viva Zero

Ao todo, serão investidos R$ 430 milhões, sendo R$ 80 milhões viabilizados pelo Ministério da Saúde, em parceria com a empresa privada Biomm, e o restante por meio de financiamento do Banco Nacional de Desenvolvimento Social (BNDES).

Segundo um comunicado do Ministério da Saúde, a previsão é que a fábrica comece a operar já em 2015 e, após dois anos, já atenda toda a demanda nacional de insulina.

Com apoio e financiamento público, a Biomm construirá a fábrica para desenvolver e produzir insulina, além de outros medicamentos biológicos, para aproveitar a tecnologia já patenteada que possui para fabricar proteínas recombinantes.

“É impossível que um país como o Brasil tenha uma indústria debilitada. Temos uma grande vantagem que é o mercado de 200 milhões de habitantes. Temos que transformar esse mercado em uma plataforma para o mundo”, afirmou Dilma durante a cerimônia oficial na qual foi assinado o acordo de associação público-privada.

De acordo com o governo, que ressaltou que apenas Estados Unidos, Dinamarca e Ucrânia produzem insulina, a fábrica atenderá 1,5 milhão de diabéticos em postos públicos de saúde (que receberão gratuitamente o medicamento) e outros 8,5 milhões em farmácias privadas.

“A indústria brasileira tem que competir hoje no mercado global com preço, prazo e qualidade. Não é admissível que o Brasil apenas substitua importações. Estamos dando um passo importante ao unir pesquisa e indústria para aumentar a produtividade”, acrescentou a presidente ao indicar que a fábrica também produzirá para o mercado externo.

De acordo com o ministro de Desenvolvimento, Indústria e Comércio, Fernando Pimentel, o Brasil está entre os cinco maiores mercados consumires de qualquer produto, desde grampos para cabelo até aviões.

“Quem tem um mercado desses tem a obrigação de contar com uma produção própria e de qualidade, assim como o domínio tecnológico”, afirmou o ministro.

A retomada da produção de insulina no país se soma aos acordos de transferência tecnológica assinados na última semana entre multinacionais do setor e laboratórios brasileiros para poder produzir no país pelo menos oito remédios atualmente importados.

Tais acordos gerarão uma economia de R$ 350 milhões aos cofres públicos em cinco anos, já que a maioria desses remédios é adquirida pelo Estado para ser distribuída gratuitamente nos postos de saúde.