Menino de 4 anos recebe pâncreas artificial para tratar diabetes

Especialistas disseram que o caso é o primeiro do mundo do tipo.
Órgão artificial está conectado ao corpo por vários tubos sob a pele.

Fonte g1.globo.com/bemestar
Em: 22/01/2015
Da France Presse
Menino de 4 anos recebe pâncreas artificial para tratar diabetes
 
Xavier Hames ao lado de sua família
(Foto: Departamento de Saúde da Austrália Oriental)

Um menino australiano de quatro anos, Xavier Hames, recebeu um pâncreas artificial, o que foi classificado pelos especialistas como o primeiro caso no mundo no tratamento de diabetes tipo 1, anunciou o Hospital Infantil Princess Margaret de Perth.

O pâncreas artificial implantado, parecido com um reprodutor MP3, está conectado ao corpo através de vários tubos enxertados sob a pele.

“O aparelho reproduz a função biológica do pâncreas para prever os níveis baixos de glicose e deter a administração de insulina”, indicou na quarta-feira um comunicado do departamento de Saúde da Austrália Ocidental.

“Isso, por sua vez, evita as conseqüências graves de baixo nível de glicose, como o coma, convulsões e uma possível morte”, acrescentou o comunicado, que não indicou quando a operação ocorreu.

Conheca Viva Zero

A Fundação de Pesquisa de Diabetes Juvenil (JDRF), uma organização sem fins lucrativos que financiou o projeto, indicou que a tecnologia monitora os níveis de glicose e interrompe o fornecimento de insulina até 30 minutos antes que ocorra um ataque hipoglicêmico.

“Este dispositivo pode prever hipoglicemia antes que aconteça e deter a administração de insulina antes de um evento previsto”, disse Tim Jones, um dos médicos do hospital.

“Isso, unido ao fato de que a bomba retoma automaticamente o fornecimento de insulina quando os níveis de glicose se recuperam, é um avanço médico real”, acrescentou.

Naomi Hames, a mãe de Xavier, declarou que o dispositivo já havia melhorado a vida de seu filho, afetado pela doença desde que tinha 22 meses.

“O sistema é impermeável, razão pela qual Xavier pode praticar esportes aquáticos”, disse a mãe.

Além disso, “nos dá tranquilidade durante a noite”, acrescentou.

O pâncreas artificial foi desenvolvido durante cinco anos no Hospital Infantil Princess Margareth, com a ajuda de outros estabelecimentos, indicou.

Cada aparelho tem um custo de US$ 8.100.

O site Diabete.Com.Br avisa: As informações contidas neste site não se destinam ou implica a ser um substituto para aconselhamento médico profissional, diagnóstico ou tratamento. Todo o conteúdo, incluindo texto, gráficos, imagens e informações, contidos ou disponíveis através deste site são apenas para fins informativos gerais. As opiniões expressas aqui são as opiniões de escritores, colaboradores e comentaristas, e não são necessariamente aqueles de Diabete. Com.Br. Nunca desconsidere o conselho médico profissional ou demorem a procurar tratamento médico por causa de algo que tenha lido ou acessado através deste site.