Pacientes enfrentam racionamento na distribuição de insulina, em RO

No município de Ariquemes (RO), pacientes que precisam de insulina têm enfrentado dificuldade para receber o medicamento na rede pública de saúde. Cerca de 500 pessoas estão cadastradas na Secretaria Municipal de Saúde que afirma estar recebendo 400 frascos por mês quando deveria receber mil. A Falta de insulina diz que o problema acontece em todo o Brasil.

Neuza Herminia Vieira, dona de casa, de 51 anos, faz o uso de insulina há 15 anos e conta que há uma semana tenta receber, na rede de distribuição, o medicamento e que precisou comprar insulina. “Passei por várias farmácias e também tive dificuldade de encontrar. Fico pensando nas pessoas que não tem condições de comprar, pois podem ter problemas de saúde graves”, disse a dona de casa.

A aposentada Nair Ferreira da Cruz, de 68 anos, afirma que não tem condições de comprar o medicamento e há oito dias não faz o uso da insulina. “Já aconteceu três vezes de eu vir aqui (rede de distribuição) e não ter insulina. Acabo tomando remédios caseiros”, diz a aposentada.

Conheca Viva Zero

Ítalo Florentino, médico, explica que o medicamento é usado quando o pâncreas não produz insulina suficiente e ressalta que o medicamento é fundamental para a sobrevivência dos pacientes com este tipo de problema. “O diabetes não controlado pode causar derrame, infarto, cegueira, insuficiência renal e problemas de circulação”, salienta Ítalo.

O racionamento na distribuição começou em agosto do ano passado, quando a fábrica brasileira que fazia o envasamento da matéria prima foi embargada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), diz Marcelo Brasil da Silva, diretor da DGAF. Rondônia recebia seis mil frascos mensalmente do Ministério da Saúde (MS), mas em janeiro deste ano recebeu apenas 3.6 mil para atender a demanda dos 52 municípios.
“A distribuição deve estar regularizada na segunda quinzena de março. Além disso, o governo de Rondônia está licitando 15 mil frascos e o lote deve ser comprado em 60 dias”, afirma Marcelo.

Vilma Maria Galdino, enfermeira responsável pelo setor de epidemiologia, afirma que está fazendo o possível para não faltar o medicamento. “Estamos racionando a insulina, ou seja, os pacientes que precisam de dois a quatro frascos só levam um, para não faltar para os outros. Quando acabar, eles retornam a rede”, diz.
Ministério Público

A promotora de Justiça, Priscila Matzenbacher, diretora do Centro Operacional de Saúde do Ministério Público (MP) de Rondônia, fala que um inquérito civil público foi aberto no dia 23 de janeiro devido as denúncias de falta de insulina na rede de distribuição em Ariquemes.

“A secretaria de saúde informou o motivo do racionamento e agora queremos saber qual é o plano B, para que estes pacientes não fiquem sem o medicamento, até que aconteça esta regularização”, enfatiza.

Fonte: Globo.com em 31/01/2013